quinta-feira, 29 de junho de 2017

Mulher de 30


Twitadas Descoladas





Momento "Óóóuunn"


- Put your hands up in the air, put your hands up!

- Num gooostooo!


Old But Gold


http://receitas.ig.com.br/2013-04-10/para-quem-nao-vive-sem-leite-condensado.html




Anos 80 Forever





Mafalda


#Sextou


Vida de Cão



Homem Aranha, Só que ao contrário


PPA também é arte


Momento UEEEEEPAAA!!!




Quando o que é nativo vira exótico





Entendedores, entenderão...




Ginastiquinha Level Hardest


What's your occupation?



Mudando de Besta pra Bestial


Oferecimento: Empório Alto de Pinheiros


A angústia de Tobi



Mulher de 30






terça-feira, 27 de junho de 2017

Como ser uma pessoa sussa

Textículo 




Como ser uma pessoa sussa



Deus Troll



Momento "Óóóuunnn"
 


Vai que...

Um argentino, um sueco e um nigeriano aguardavam ansiosamente na maternidade o nascimento de seus filhos. Eis que surge a enfermeira e diz:
- Senhores, houve uma tremenda confusão. Os bebês foram trocados e não sabemos mais quem é quem. Só que temos 2 brancos e um negro.
- Não tem problema, sugeriu o Nigeriano. Cada um escolhe um bebê e vamos fazer um sorteio para determinar a ordem da escolha.
Feito o sorteio, a primeira escolha coube ao sueco.
Ele entrou no berçário, olhou para os bebês e saiu com o negro no colo.
- Ma bwana!!!!, reclamou o Nigeriano. Você pegou o negro. Este obviamente é o meu bebê. Eu sou negro, minha esposa é negra. Me dê este bebê, volta lá e escolha um dos brancos. E o sueco, já indo embora:
- Tá maluco? E se eu pego o argentino? 


Momento "Óóóuuunn" Mô Deusi!


 

Charlie Brown


Mafalda
 
 
Acordando pra vida


O "Não" você já tem
 

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Alguém disse nudes?

Tutorial: como não ser um "animal de teta" 
(Força de expressão porque os animais de tetas são superiores)

Achei esse texto de Wagner Brenner no Blog do Daka muito interessante para mostrar o quanto precisamos nos educar na arte da argumentação. Muitos de nós hoje vivemos dentro da lógica do ataque, da violência, do ódio…

A lógica do ataque não é funcional. É importante  que as pessoas reflitam e analisem os fatos. Mas, infelizmente, isso tem acontecido muito pouco. Assim, espero que esse pequeno texto nos ajude a pensar sobre isso.

Qual é a forma certa de se colocar um rolo de papel higiênico no banheiro?

POR CIMA!

60% das pessoas têm a certeza absoluta que o certo é o estilo “cachoeira”, com o papel saindo por cima. É mais fácil achar a ponta, dá pra rasgar certinho no picote, não fica raspando a mão na parede (menos bactérias!) e hotéis podem sinalizar aos seus hóspedes que o banheiro foi higienizado, com dobras elaboradas ou colando selinhos.

POR BAIXO!

Os outros 40% acham esses 60% uns loucos e estão certos que o melhor é por baixo. O “caimento” é melhor, o papel não fica sobrando, gatos e crianças não conseguem desenrrolar um monte de papel e basta uma puxadinha para rasgar um quadradinho, porque para baixo tem mais tração.

Mas, afinal, quem está certo e quem está errado? Todo mundo. Não tem certo nem errado. O papel higiênico é seu, e você usa do jeito que quiser. É uma decisão totalmente pessoal, influenciada apenas por hábitos, com as duas maneiras suportadas por motivos bastante pertinentes.

POR QUE ISSO INTERESSA?

Essa questão bizarra do papel higiênico serve como dinâmica para colocar o foco na nossa habilidade de argumentação e não para se chegar a uma resposta, já que não tem o certo nem o errado. Por exemplo, o professor de sociologia Edgar Alan Burns, do Eastern Institute of Technology Sociology, usa esse truque no primeiro dia de aula. Ele pergunta aos seus alunos:

“Como vocês acham que o papel higiênico deve ser colocado?”

E nos 50 minutos seguintes, os alunos naturalmente começam a avaliar os MOTIVOS para suas respostas e acabam chegando sozinhos a questões sociais muito maiores como:

• diferenças de papéis sociais entre homens e mulheres;

• diferenças entre comportamentos públicos e privados;

• diferenças entre classes sociais;

• etc.

São relações de construção social que nunca pararam para pensar antes, mas que agora, sem que ninguém os orientasse, conseguiram enxergar. Sozinhos, começaram a raciocinar e perceberam correlações e fatos. E, principalmente, começaram a argumentar.

No dia-a-dia, quase nunca fazemos isso. Geralmente, tomamos um partido e passamos a defendê-lo de forma passional, enxergando só o que nos interessa. Somos bons de discutir, mas ruins para argumentar. Piores ainda para mudar de ideia. Mais para o boxe do que para o tênis.

O que parece ser uma estratégia não muito inteligente para encarar essa nova sociedade em que conversamos com muito mais gente, sobre muito mais coisas, todo santo dia.

APRENDER A DISCORDAR

A aula do papel higiênico devia ser dada de cara para crianças. A escola ensina que existe o certo e o errado, e dá notas baseadas nisso. Mas podia estimular abordagens diferentes, habilidade de argumentação, capacidade de deduzir (algumas já fazem, eu sei, mas a maioria ainda não).

Do mesmo jeito que tem nota para as melhores respostas, deveria ter para as melhores perguntas também. Senão a gente vai continuar crescendo com essa mania de preferir estar certo do que aprender algo novo, do que parar pra pensar e repensar sempre. Aproveitar a bagagem e o raciocínio do outro.

Já reparou como a maioria dos comentários feitos todos os dias na internet não tem elaboração nenhuma? Ou é genial ou é a coisa mais estúpida que já se viu em toda a a história da humanidade. O programador Paul Grahan fez um gráfico bacana, que mostra a “Hierarquia da Discordância”, do mais ao menos elegante, do mais ao menos eficiente.

design thinking é isso. A maneira de pensar de um designer não é a do certo ou do errado, porque não existe certo ou errado na hora de projetar um bule de café. Mas existe o melhor, o mais eficiente. É uma maneira de pensar em que se evolui a realidade.

Quem sabe um dia a gente consegue argumentar sobre futebol, política e religião. Dizem que não se discute, mas a recomendação só existe porque somos meio trogloditas. A propósito, o grande designer Donald Norman coloca os rolos de papel higiênico na sua casa… assim:



Morri de Sunga Branca

8 VEZES QUE REGINA DUARTE NOS REPRESENTOU APENAS COM EXPRESSÕES FACIAIS

Bic Muller24 de jul de 2015 - 13:03
A nossa eterna namoradinha do Brasil é referência quando o assunto é expressões faciais. 
Com vocês, 8 vezes que Regina nos entendeu:

1- Você tá louco pra conversar sobre uma série com um amigo e ele simplesmente te diz que não tem tempo de acompanhar essas bobagens de séries. 


2- Quando o crush manda nudes


3- Quando eu tento sensualizar mas as pessoas pensam que estou tendo uma convulsão


4- Mas não é por mal, eu apenas não sei ser sexy. Não sei, MESMO.


5- Quando me marcam em uma discussão no facebook e eu nem sei direito o que to fazendo ali....


6- Quando o que? Quem? 
Aff nem ligo mais pra c e r t a s  p e s s o a s


7- Quando fico mais chocado que a Regina Duarte bocejando


8- Porque a internet, as vezes é difícil de aguentar...


Morri de Sunga Branca II


TOP 3 NOVELAS MEXICANAS QUE INFLUENCIARAM A SUA VIDA

Morri de Sunga Branca23 de jul de 2015 - 11:09
Quem não passava as tardes da década de 90 assistindo as novelas
mexicanas no SBT não soube mesmo se curtir naquela época. 
Por isso, hoje, vamos focar no que essas novelas contribuíram para formar o nosso caráter, começando com esse clássico maravilhoso que já foi exibido 132 vezes no SBT e eu nunca me canso de assistir:

A USURPADORA




Com a Usurpadora a gente aprendeu que: 

1) Estefanie foi a primeira hipster numa época que a gente nem sabia o que era hipster: 
Ela usava tranças meio que de princesa leia e óculos vintage. Certamente, 
nos dias de hoje, você vê muita Estefanie nas baladinhas indie. 


2) Carlos Daniel nos ensinou que nunca há limites de quão 
corna uma pessoa pode ser sem mesmo desconfiar. 
Porque a Paola traia ele com:

Luciano (que tá a cara do Leandro do KLB nessa foto) 



Pintor Donato...jesus multiplic....na verdade não multiplica não, porque eu sou de humanas e não sei fazer conta. Só coloca um boy desse na minha vida. 



Milionário Farina (que eu particularmente não pegava, mas tem gosto pra tudo) 



Willy


hauahuahuahahahaha mentira, é esse aqui


Que até que era gato, mas tem cara daqueles home que posta foto de cerveja no instagram com legenda de "começando os trabalhos" ou comenta #top em todas as fotos. 

E mais outros 7 amantes que não me lembro...

3) Paulina nos ensinou que não importa quão falida uma fábrica 
de CERÂMICA possa estar, sempre há um jeito de seduzir um milionário que vai emprestar dinheiro pra você. 


4) Vovó piedade nos ensinou que não existe idade 

pra você continuar tomando umas jurupinga.


5) Paola nos ensinou que é possível fazer todo mundo de trouxa

se você falar que tem uma doença ~misteriosa~ que ninguém 
sabe o que é, e falar que você precisa viajar por 3 meses pra se tratar em HOUSTON 
da doença que todo mundo aceita de boa
que você não revele o que seja. Super normal. 



Agora, com vocês...

MA RI MAR – AU



Com Marimar nós aprendemos que:

1) Gola de camisa AMARELA levantada é sexy 



2) O melhor jeito de se vingar da sua inimiga é fazer ela abocanhar alguma coisa na lama



3) Sérgio era tão peludo quanto o Tony Ramos mas ninguém fazia piada com isso



4) Marimar no início da novela NÃO TOMAVA BANHO e mesmo assim conquistou o boy mais magia da cidade



5) Andar de cavalo na beira da praia dá tesão e é erótico (pelo menos na minha cabeça) 



Agora outro clássico com nossa diva rainha: Thalia! 

MARIA DO BAIRRO


Aff, quem não assistiu Maria do Bairro não sabe o real significado de felicidade plena. 

Com Maria do Bairro nós aprendemos que:

1) Por mais escandaloso que o seu surto psicótico de ciúme seja, ele nunca NUNCA vai superar o da Soraya Montenegro




2) Você percebe que Orange is The New Black foi inspirada em Maria do Bairro.
E que essa é a única novela em que uma mulher vai parar na prisão e não rola nenhum romance lésbico aff =(


3) É possível ter amnésia sem ter bebido nenhuma gota de álcool e se fazer de desentendida metade da novela. (vou usar essa tática a meu favor pra me livrar dos problemas) 


4) Maria Do Bairro influenciou o cenário da música pop, sem ela Lady Gaga não seria ninguém



5) Além de ter influenciado na cultura pop, Maria do Bairro influenciou os cinemas, mais precisamente, Tarantino em Kill Bill. Veja o motivo: 


QUEM MAIS SE FINGE DE ENFERMEIRA PARA MATAR A INIMIGA????


Sim, Elle Driver, em Kill Bill vol 1. Maria do Bairro realmente foi uma grande influência de todo o cenário cultural, cinematográfico e cultural do planeta. 

Enfim..essas foram as top 3 novelas que provavelmente formaram nosso caráter. Se você se lembra de outra que gostou também e mudou a sua vida, comenta na fanpage do Morri! 


Máquina Impiedosa




Usaram a inteligencia artificial de um cachorro, e isso foi um problema



Dolores & Anésia




Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Ocorreu um erro neste gadget